Telefone: +351210156711 [email protected]
S1E3 | Sociedade Civil e ODS | Mario Parra UN Global Compact – Network Portugal

S1E3 | Sociedade Civil e ODS | Mario Parra UN Global Compact – Network Portugal

No episódio 1 deste podcast conversámos sobre movimentos cívicos e a sua capacidade de influenciar políticas públicas e mudanças sociais diretas.

Um estudo de abril de 2019 identifica um conjunto de circunstâncias pelas quais, o empobrecimento da sociedade civil, dos quais os movimentos cívicos fazem parte, poderá impedir o alcance dos objetivos do desenvolvimento sustentável.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável compromete-se a “não deixar ninguém para trás” e a “chegar aos mais vulneráveis primeiro” e são estes que são mais suscetíveis de serem afetados por um espaço cívico diminuído. Sabemos e o estudo vem confirmar que uma sociedade civil fraca gera políticas e práticas de desenvolvimento mais desiguais e excludentes, com um risco significativo de deixar não só os mais vulneráveis para trás, mas também de promover a sua desapropriação, perda de direitos e voz. fundamentais em relação ao processo de desenvolvimento.

Uma recomendação global fundamental para os governos que esperam obter legitimidade de desempenho, alcançando os ODS, é assim, aceitar que não existem alternativas realistas à construção de parcerias construtivas com a sociedade civil, e que é do seu interesse faze-lo, particularmente nos objetivos que se focam nas questões sociais e ambientais (1, 2, 5, 8, 10, 11 e 15) pois estes não assentam, à partida, em modelos diretos de geração de riqueza, embora esse paradigma tende a mudar, como falámos no episódio anterior.

Para nos ajudar a refletir sobre este tema convidámos Mário Parra da Silva, empreendedor, gestor, consultor, formador e ativista, Mário é fundador e presidente da Associação Portuguesa de Ética Empresarial, liderou a delegação portuguesa que participou no grupo de trabalho que elaborou a norma internacional ISO 26000, é Presidente da UN Global Compact Network Portugal e da Aliança para os ODS Portugal. Empresário na área da Saúde e Turismo, é também membro dos Corpos Sociais da CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, Consul Honorário da República da Croácia e ainda autor e co-autor de diversas obras relacionas com a ética empresarial.

Fotografia: Marco Santos Marques

Início

Send in a voice message: https://anchor.fm/conversas-com-impacto/message

Quer seja porque ajuda a comunidade!

Quer seja porque ajuda a comunidade!

A licença para operar é ainda hoje um factor primordial para muitas empresas e negócios, conhecer e investir nas comunidades onde se instala um negócio permite estabelecer relações de médio e longo prazo com elementos chave da comunidade.

PME & Responsabilidade Social - Comunidade

As pme portuguesas têm agora um serviço especializado para desenvolverem, implementarem ou avaliarem ações de responsabilidade social e/ou sustentabilidade.

https://core.org.pt/pme
[email protected]

Agende uma consultoria de diagnóstico grátis sem compromisso

Quer seja para aceder a fundos  públicos

Quer seja para aceder a fundos públicos

Cada vez mais os concursos públicos e fundos europeus, requerem ou incentivam a justificação do impacto social e ambiental do negócio e dos projetos que se propõe a financiamento, investir numa política de responsabilidade social ajuda nesse desígnio.

As pme portuguesas têm agora um serviço especializado para desenvolverem, implementarem ou avaliarem ações de responsabilidade social e/ou sustentabilidade.

https://core.org.pt/pme
[email protected]

Agende uma consultoria de diagnóstico grátis sem compromisso